Where Ideas grow
Alexandra Lopes
Junior Researcher
Alexandra M Lopes concluiu o doutorado em Biologia pela Universidade do Porto em 2006 e atualmente é pesquisadora (bolsa inicial do IF2014) no Grupo de Genética da População no IPATIMUP. Leciona também na Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, como professora assistente convidada. A pesquisa de Alexandra se concentrou em vários aspectos da evolução dos cromossomos sexuais e da biologia reprodutiva. Alexandra liderou um projeto de pesquisa financiado pela FCT que tratava de rearranjos estruturais na infertilidade masculina e faz parte do GEMINI, um consórcio internacional financiado pelo National Institutes of Health (NIH) que visa identificar a arquitetura genética da infertilidade masculina em populações da Europa. ascendência. Ela publicou 19 artigos revisados ​​por pares, 6 dos quais como primeiro autor e 5 como último autor, em revistas internacionais revisadas por pares nos campos da Genética Humana e Evolução, com 191 citações de outros autores e com um índice h de 8. Um desses estudos representou uma grande inovação no campo, nomeadamente pela identificação de deleções recorrentes do O gene DMRT1 como uma causa genética frequente e nova de falha espermatogênica e foi publicado em uma das 10 principais revistas de Genética e Hereditariedade. Atualmente, ela está desenvolvendo uma nova linha de pesquisa sobre o controle translacional da espermatogênese. Alexandra também é membro do conselho de revisores da Frontiers in Neurogenomics. nomeadamente pela identificação de deleções recorrentes do gene DMRT1 como uma causa genética frequente e nova de falha espermatogênica e foi publicada em uma das 10 principais revistas de Genética e Hereditariedade. Atualmente, ela está desenvolvendo uma nova linha de pesquisa sobre o controle translacional da espermatogênese. Alexandra também é membro do conselho de revisores da Frontiers in Neurogenomics. nomeadamente pela identificação de deleções recorrentes do gene DMRT1 como uma causa genética frequente e nova de falha espermatogênica e foi publicada em uma das 10 principais revistas de Genética e Hereditariedade. Atualmente, ela está desenvolvendo uma nova linha de pesquisa sobre o controle translacional da espermatogênese. Alexandra também é membro do conselho de revisores da Frontiers in Neurogenomics.